BH está mais linda com a Elephant Parade!

Por acaso você já se deparou com alguma escultura de elefante enquanto andava pela cidade? Se sim, saiba que tem muitas delas por aí. Se não, fique preparado porque ainda vai ter essa surpresa.

É que a Elephant Parade, uma das maiores exposições de arte do mundo, chegou na cidade no dia 15 de março e vai ficar por aqui até o dia 15 de maio.

Ao todo são 40 esculturas de elefantes coloridos espalhadas pelas cidade, sendo que 25 delas estão no Pátio Savassi e as demais em pontos bem movimentados como Praça da Liberdade, Praça da Savassi e Praça XII, etc.

O interessante é que artistas mineiros serão convidados para customizar as esculturas e deixá-las ainda mais vivas e mais coloridas. O processo criativo vai acontecer até o dia 15 de abril, em um ateliê dentro do Pátio Savassi. Para acompanhar o trabalho é só passar por lá, a entrada é franca.

A Aline Resende, nossa colunista, participou do coquetel de apresentação da exposição e tirou essas fotos incríveis, vejam só:

Lindo, né?

Preciso contar para vocês que esse projeto foi criado pelo holandês Mike Spits, que ficou indignado quando soube que uma bebê elefante da Tailândia perdeu uma das patas ao pisar em uma mina. Ela chamava Mosha e tinha apenas seis meses de idade.

Revoltado com a situação, ele criou a exposição para encontrar recursos para cuidar da elefantinha e para comprar as próteses dela. Como o resultado foi positivo, ele deu andamento ao projeto com o intuito de ajudar outros elefantes asiáticos que sofrem exploração e maus tratos.

Por ser assim, ao final de cada exposição as peças serão leiloadas e parte da verba arrecadada é destinada à filantropia e à preservação dos elefantes.

Por que eu defendo essa campanha?

Muitos de vocês viram pelo Instagram que no mês de janeiro desse ano eu fui para a Tailândia. Lá, o turismo de exploração de elefantes é enorme. Existem inúmeras agências que vendem passeios baratos, daqueles que permitem que as pessoas andem sobre os elefantes.

O que as agências não contam é que para o animal ficar dócil e não reagir de forma agressiva, ele passa anos sendo treinado de forma extremamente violenta. Eles batem nos animais, deixam eles acorrentados, não oferecem comida necessária e algumas vezes queimam parte das pernas para que eles obedeçam aos comandos.

As agências também não contam que esses passeios podem quebrar a coluna do elefante, já que a cadeira colocada sobre ele pesa mais de 300 quilos. Um absurdo, né?

Mas não é só dessa forma que os elefantes são explorados por lá. Eles também participam de ringues, são usados para carregar madeira e carga pesada etc. Tudo isso de forma ilegal.

Claro que sabendo disso nós não fomos ao passeio. Nem todo turismo vale a pena!

Quando menos esperávamos descobrimos uma ONG incrível, que faz um trabalho especial de recuperação de elefantes explorados. A Elephant Nature Park (clique aqui para acessar o site) fica no norte da Tailândia e já conseguiu resgatar dezenas de animais.

Para cuidar deles e mantê-los em segurança, ela conta com doação e com o apoio de voluntários e turistas. Durante o passeio, os turistas podem dar comida aos elefantes, caminhar ao lado deles pelo parque e tomar banho com eles no lago. Antes disso, os guias passam várias explicações sobre respeito ao animal e sobre a forma com a qual eles vivem.

É um projeto lindo de viver! Foi um dia de muito aprendizado e de muita conscientização.

Por isso a certeza da importância de ações como a Elephant Parade.

Espero que todos aproveitem e visitem os elefantinhos até o dia 15 de maio. 🙂

Beijos, Isabela!

Deixe uma resposta