Comida portuguesa e mineira, em um lugar repleto de amor!

Era para ser mais uma noite em um restaurante. Uma das várias noites ao lado de amigas, com ótimos pratos, bons vinhos e muita conversa. Mas a verdade é que a experiência na Taberna Baltazar foi muito mais que isso!

Quando recebi o convite para conhecer o lugar, que há muito tempo estava na minha lista, eu não imaginei que jantaria ao lado da Dona Tereza, a proprietária do local e a grande responsável pelos pratos que representam Portugal, mas não deixam de lado a cultura mineira.

Confesso para vocês que eu poderia voltar no tempo, só para me sentar ao lado dela novamente. Que energia, que história, que positividade e o principal: que humildade! Um exemplo de mulher guerreira, que lutou ao longo de toda vida, que reconhece o lugar onde chegou, mas que não se esquece de onde veio.

Dona Tereza se mudou para o Brasil no ano de 1962, com 14 anos de idade, e trouxe praticamente a roupa do corpo e um par de brincos. A mudança foi brusca e aconteceu em razão da situação política de Portugal à época, que não favorecia em nada os pobres e, menos ainda, as mulheres.

Aqui ela conheceu Aurélio Baltazar, com quem se casou e iniciou, com muita dificuldade, o primeiro negócio. A mercearia, que tinha muita variedade e também servia petiscos mineiros e portugueses, conquistou clientes fieis e se sustentou por muitos anos.

Contudo, com a chegada de uma rede de supermercado ao bairro, o negócio ficou difícil e o casal precisou iniciar o trabalho em outro endereço e com outra proposta. A ideia inicial era ser um restaurante confortável, com pratos portugueses de qualidade e com aquele atendimento simpático de sempre. Surgiu, assim, a Taberna Baltazar.

Mas como os clientes continuaram pedindo os petiscos, eles voltaram a integrar o cardápio do restaurante e estão lá até hoje, mesmo tantos anos depois. Você vai encontrar Alheiras, Bolinho de Bacalhau, Pataniscas, Língua, Joelho de Porco, Moela, Queijos e muito mais.

Alheiras
Pataniscas
Joelho de Porco

O objetivo da casa é proporcionar momentos descontraídos, então é comum que as pessoas passem por lá apenas para petiscar e tomar uma cerveja gelada ou um vinho especial.

Aqueles que preferem pratos, costumam ir em família ou em turma, porque tudo é farto, exatamente como em Portugal. E tem variedade demais: sete opções de Bacalhau, Arroz de polvo com camarão, Arroz de pato etc.

Arroz de Braga:
Arroz com bacalhau em lascas, brócolis, alho, azeite e pimentões e azeitonas portuguesas.

Além disso, cada dia da semana tem um prato como sugestão. Eu adoro isso! Segunda é Dobradinha com Feijão Branco, terça é Galeto Assado, quarta é Carne de Lata, quinta é Joelho de Porco, sexta é Cabrito ao molho de vinho e sábado tem a nossa amada Feijoada.

Para tornar o relacionamento com os clientes ainda mais próximo, no último sábado de cada mês eles deixam o almoço bem movimentado e fazem a tradicional Sardinha na Brasa. É sempre uma reunião de amigos ao redor das mesas e muita interação entre as turmas.

E hoje, viúva, com filhos criados e netos que alegram a sua vida, Dona Tereza sente orgulho do trabalho que realizou e do tanto que precisou aprender para chegar onde está. Com 70 anos de idade, ela ainda cuida da cozinha do restaurante e faz questão de preparar o almoço da família todos os dias.

Torta de Natas do Céu

E entre tudo que conversamos, o que mais me encantou foi que ela disse que lutou muito, mas que sabe que, de uma forma ou de outra, teve privilégios que permitiram que ela chegasse até aqui.

Que noite memorável, que comida saborosa, que lugar agradável. Virei cliente, vou voltar com certeza e vou indicar para todos. Acredito que comida é afeto, e conhecer a história de uma pessoa que trabalha com comida faz toda a diferença nessa relação.

Obrigada, Dona Tereza, por esses momentos!

Informações Importantes:

Endereço: Rua Oriente, 571, Serra

Telefone: (31) 3223-7908

Funcionamento: de segunda a sexta-feira, de 16 às 00h; sábado, de 12 às 00h; e domingo de 12 às 16h.

Tem cardápio completo com preços no site (clique aqui),

Beijos, Isabela.

Deixe uma resposta